Viajando No Mundo dos Contos de Fada

Viajando No Mundo dos Contos de Fada

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Leia o texto abaixo:O cego, Renoir, Van Gogh e o resto

Leia o texto abaixo.

O cego, Renoir, Van Gogh e o resto
Vistos de costas, pareciam apenas dois amigos conversando diante do quadro Rosa e
azul, de Renoir, comentando o quadro. Porém, quem prestasse atenção nos dois perceberia,
talvez estranhasse, que um deles, o de elegantes óculos de sol, parecia um pouco
desinteressado, apesar de todo o empenho do outro, traduzido em gestos e eloquência
quase murmurada. [...]
O que falava segurava às vezes o antebraço do de óculos com uma intimidade solícita e
confiante. [...] Aproximei-me do quadro, fingindo olhar de perto a técnica do pintor, voltei-me
e percebi: o de óculos escuros era cego. [...]
Algo extraordinário acontecia ali, que eu só compreendia na superfície: um homem
descrevendo para um amigo cego um quadro de Renoir. Por que tantos detalhes? [...]
– Azul com o quê? Fale mais desse azul – pediu o cego, como se precisasse completar
alguma coisa dentro de si.
– É um azul claro, muito claro, um azul que tem movimento e transparência em muita
luz, um azul tremulando, azul como o de uma piscina muito limpa eriçada pelo vento, uma
piscina em que o sol se reflete e que tremula em mil pequenos reflexos [...] Lembra-se
daquela piscina em Amalfi?
– Lembro... lembro... – e sacudia a cabeça ...
Afastei-me, olhei-os de longe. Roupas coloridas, esportivas. [...] O guarda treinado para
vigiar pessoas estava ao meu lado e contou, aos arrancos:
– Eles vêm muito aqui. Só conversam sobre um quadro ou dois de cada vez. É que o
cego se cansa. Era fotógrafo, ficou assim de desastre.
ÂNGELO, Ivan. O comprador de aventuras. In Para gostar de ler: v.: 28. 2ª ed. São Paulo: Ática, 2007. Fragmento. (P1100118D3_SUP)
10) (P100118D3) No primeiro parágrafo desse texto, o elemento da narrativa em evidência é o
A) ambiente.
B) clímax.
C) narrador.
D) personagem.
E) tempo.
11) (P100247D3) Infere-se desse texto que o homem cego é
A) acanhado.
B) audacioso.
C) cuidadoso.
D) determinado.
E) impaciente.

Leia o texto : O negócio é ser verde

Leia o texto abaixo.

O negócio é ser verde

A consultora francesa, que assessora grandes companhias em assuntos ambientais, diz que é inevitável que as empresas adaptem seus modelos de negócio à sustentabilidade. Que outras atitudes sustentáveis a senhora incorporou à sua rotina?
Elisabeth Laville – Depois que tive minha filha, hoje com 4 anos, fiquei radical quanto
a determinadas questões. Ela entrou para a escola recentemente, e constatei que os
alimentos servidos lá eram ricos em gorduras e carboidratos. Disseram-me que seria
impraticável adotar um novo cardápio sem que outras instituições aderissem a ele. Procurei
essas escolas e consegui que aderissem à mudança na alimentação das crianças. Ou
seja, mesmo atitudes simples podem ter impacto para as gerações futuras. Não consigo
entender por que as pessoas não se preocupam com o mundo que deixarão para seus
descendentes. Na Europa, onde uma parte da população costuma esquiar, os adultos não
pensam que, ao ter atitudes antiecológicas, privarão seus filhos ou netos do esporte. Dez
por cento das estações de esqui dos Alpes estão sob risco de fechar, pois não há mais
neve como antes. Outro hábito que incorporei foi comprar produtos de limpeza e alimentos
orgânicos. Essas atitudes podem ter enorme impacto na saúde de todos.
É possível tornar os alimentos orgânicos mais baratos?
Elisabeth Laville – Acho que é uma questão de tempo até que a exceção se torne regra.
Se todos começarem a exigir orgânicos no mercado, eles vão baratear. Foi o que aconteceu
com outros produtos, como o ar-condicionado dos carros, que antes era usado por poucas
pessoas, e o telefone celular, que custava caríssimo e hoje pode sair de graça.
Veja, 16 set. 2009. Fragmento. (P100031RJ_SUP)
14) (P100033RJ) Nesse texto, o trecho que apresenta uma expressão que indica uma relação de condição é:
A) “Depois que tive minha filha,...”. (ℓ. 2)
B) “... sem que outras instituições aderissem a ele.”. (ℓ. 5)
C) “Ou seja, mesmo atitudes simples...”. (ℓ. 6-7)
D) “... por que as pessoas não se preocupam...”. (ℓ. 8)
E) “Se todos começarem a exigir orgânicos...”. (ℓ. 16)
15) (P100031RJ) Nesse texto, qual é a informação principal da primeira resposta de Elisabeth Laville?
A) A constatação da alimentação inadequada das escolas.
B) A incorporação de hábitos saudáveis no cotidiano.
C) A mudança de hábitos alimentares das crianças.
D) A necessidade de comprar produtos de limpeza orgânicos.
E) A situação de risco das estações de esqui europeias.
16) (P100035RJ) No título desse texto, a palavra “verde” foi usada com a intenção de mostrar que é preciso
A) baratear o preço dos produtos orgânicos.
B) melhorar o lanche nas escolas.
C) participar de manifestações ecológicas.
D) recuperar reservas naturais.
E) ter atitudes sustentáveis.

Leia o texto abaixo.

Dia do professor de anacolutos
Levantei-me, corri a pegar o giz, aqui está, professor. Ele me olhou agradecido, o rosto
cansado. Já naquela época, o rosto cansado. Dava aulas em três escolas e ainda levava
para casa uma maçaroca de provas para corrigir.
O aluno preparava-se para sentar, ele, o olhar fino:
– Aproveitando que o moço está de pé, me diga: sabe o que é um anacoluto?
É o que dá a gente querer ser legal.
Vai-se apanhar o giz do chão, e o professor vem e pergunta o que é anacoluto. Por que
não pergunta àquela turma que ficou rindo do bolso traseiro rasgado das calças dele?
– Anacoluto... Anacoluto é... Anacoluto.
– Pode se sentar. Vou explicar o que é anacoluto. Muito obrigado por ter apanhado o giz
do chão. Estou ficando enferrujado.
Agora era ele, no bar, tomando café.
– Lembra de mim, professor?
Também estou de cabelos brancos. Menos que ele, claro.
Com o indicador da mão esquerda acerta o gancho dos óculos no alto do nariz fino e
cheio de pintas pretas e veiazinhas azuladas, me encara, deve estar folheando o livro de
chamada, verificando um a um o rosto da cambada da segunda fila da classe.
– Fui seu aluno, professor!
DIAFÉRIA, Lourenço. O imitador de gato. 2ª ed. São Paulo: Ática, 2003. Fragmento. (P100146D3_SUP)
17) (P100244D3) Nesse texto, há um traço de humor no trecho:
A) “Levantei-me, corri a pegar o giz,...”. (ℓ. 1)
B) “Ele me olhou agradecido, o rosto cansado.”. (ℓ. 1-2)
C) “É o que dá a gente querer ser legal.”. (ℓ. 6)
D) “Pode se sentar. Vou explicar o que é anacoluto.”. (ℓ. 10)
E) “Agora era ele, no bar, tomando café.”. (ℓ. 12)
18) (P100146D3) A expressão destacada em “Estou ficando enferrujado” (ℓ. 11), tem o mesmo sentido de
A) contrair doenças.
B) estar preguiçoso.
C) ser descuidado.
D) ser esquecido.
E) ter limitações.
19) (P100147D3) No trecho “Anacoluto... Anacoluto é... Anacoluto.” (ℓ. 9), a repetição da palavra “Anacoluto”
sugere
A) brincadeira.
B) confirmação.
C) desconhecimento.
D) desrespeito.
E) receio.

Leia os textos abaixo.
Texto 1

Por que o senhor é cético em relação às previsões sobre o aquecimento global?
Bjorn Lomborg – Discordo da forma como as discussões sobre esse tema são colocadas.
Existe a tendência de considerar sempre o pior cenário – o que aconteceria nos próximos
100 anos se o nível dos mares se elevar e ninguém fizer nada. Isso é irreal, porque é óbvio
que as pessoas vão mudar, vão construir defesas contra a elevação dos mares. No entanto,
isso é só uma parte do que tenho dito. Sou cético em relação a algumas previsões, sim.
Mas sou cético principalmente em relação às políticas de combate ao aquecimento global.
O problema principal não é a ciência. Precisamos dos cientistas. A questão é que tipo de
política seguir. E isso é um aspecto econômico, porque implica uma decisão de gastar
bilhões de dólares de fundos sociais. Em outras palavras, não sou um cético da ciência do
clima, mas um cético da política do clima. Basicamente, digo que não estamos adotando as
melhores políticas porque não estamos pensando onde gastar o dinheiro para produzir os
maiores benefícios.
Veja, 23 dez. 2009. Fragmento.
Texto 2
Esclarecedora a entrevista com Bjorn Lomborg (Entrevista, 23 de dezembro). Cada um de
nós precisa se inteirar da realidade e agir com tenacidade. Não vale a pena gastar tempo com
discussões vazias e fantasiosas de alguns que pregam a catástrofe futura, desconectados do aqui
e do agora. Melhorar as condições de vida das pessoas, provendo-as de fonte de renda, acesso
à saúde, educação e lazer, diminuirá os problemas sociais e por consequência o aquecimento
global.
Irineu Berezanski, São José, SC.
Disponível em: . Acesso em: 5 abril 2011.
(P100054RJ_SUP)
20) (P100054RJ) Em relação ao tema discutido no Texto 1, o autor do Texto 2 apresenta uma posição
A) conflitante.
B) contrária.
C) favorável.
D) irônica.
E) questionadora.
21) (P100055RJ) No Texto 1, o entrevistado afirmar ser cético, principalmente, com relação
A) à decisão de gastar dinheiro de fundos sociais.
B) à tendência de se considerar o pior cenário.
C) às discussões sobre o aquecimento global.
D) às políticas de combate ao aquecimento.
E) às previsões sobre o aquecimento global.

Texto trabalhando descritores

Leia os textos abaixo.
Texto 1
Por que o senhor é cético em relação às previsões sobre o aquecimento global?
Bjorn Lomborg – Discordo da forma como as discussões sobre esse tema são colocadas.
Existe a tendência de considerar sempre o pior cenário – o que aconteceria nos próximos
100 anos se o nível dos mares se elevar e ninguém fizer nada. Isso é irreal, porque é óbvio
que as pessoas vão mudar, vão construir defesas contra a elevação dos mares. No entanto,
isso é só uma parte do que tenho dito. Sou cético em relação a algumas previsões, sim.
Mas sou cético principalmente em relação às políticas de combate ao aquecimento global.
O problema principal não é a ciência. Precisamos dos cientistas. A questão é que tipo de
política seguir. E isso é um aspecto econômico, porque implica uma decisão de gastar
bilhões de dólares de fundos sociais. Em outras palavras, não sou um cético da ciência do
clima, mas um cético da política do clima. Basicamente, digo que não estamos adotando as
melhores políticas porque não estamos pensando onde gastar o dinheiro para produzir os
maiores benefícios.
Veja, 23 dez. 2009. Fragmento.
Texto 2
Esclarecedora a entrevista com Bjorn Lomborg (Entrevista, 23 de dezembro). Cada um de
nós precisa se inteirar da realidade e agir com tenacidade. Não vale a pena gastar tempo com
discussões vazias e fantasiosas de alguns que pregam a catástrofe futura, desconectados do aqui
e do agora. Melhorar as condições de vida das pessoas, provendo-as de fonte de renda, acesso
à saúde, educação e lazer, diminuirá os problemas sociais e por consequência o aquecimento
global.
Irineu Berezanski, São José, SC.
Disponível em: . Acesso em: 5 abril 2011.
(P100054RJ_SUP)
07) (P100054RJ) Em relação ao tema discutido no Texto 1, o autor do Texto 2 apresenta uma posição
A) conflitante.
B) contrária.
C) favorável.
D) irônica.
E) questionadora.

Trabalhando Texto

Leia o texto abaixo.

Dia do professor de anacolutos Levantei-me, corri a pegar o giz, aqui está, professor. Ele me olhou agradecido, o rosto cansado. Já naquela época, o rosto cansado. Dava aulas em três escolas e ainda levava para casa uma maçaroca de provas para corrigir. O aluno preparava-se para sentar, ele, o olhar fino:
– Aproveitando que o moço está de pé, me diga: sabe o que é um anacoluto?
É o que dá a gente querer ser legal. Vai-se apanhar o giz do chão, e o professor vem e pergunta o que é anacoluto. Por que não pergunta àquela turma que ficou rindo do bolso traseiro rasgado das calças dele?
– Anacoluto... Anacoluto é... Anacoluto.
– Pode se sentar. Vou explicar o que é anacoluto. Muito obrigado por ter apanhado o giz
do chão. Estou ficando enferrujado. Agora era ele, no bar, tomando café.
– Lembra de mim, professor? Também estou de cabelos brancos. Menos que ele, claro.
Com o indicador da mão esquerda acerta o gancho dos óculos no alto do nariz fino e
cheio de pintas pretas e veiazinhas azuladas, me encara, deve estar folheando o livro de
chamada, verificando um a um o rosto da cambada da segunda fila da classe.
– Fui seu aluno, professor!
DIAFÉRIA, Lourenço. O imitador de gato. 2ª ed. São Paulo: Ática, 2003. Fragmento. (P100146D3_SUP)
04) (P100244D3) Nesse texto, há um traço de humor no trecho:
A) “Levantei-me, corri a pegar o giz,...”. (ℓ. 1)
B) “Ele me olhou agradecido, o rosto cansado.”. (ℓ. 1-2)
C) “É o que dá a gente querer ser legal.”. (ℓ. 6)
D) “Pode se sentar. Vou explicar o que é anacoluto.”. (ℓ. 10)
E) “Agora era ele, no bar, tomando café.”. (ℓ. 12)
05) (P100146D3) A expressão destacada em “Estou ficando enferrujado” (ℓ. 11), tem o mesmo sentido de
A) contrair doenças.
B) estar preguiçoso.
C) ser descuidado.
D) ser esquecido.
E) ter limitações.
06) (P100147D3) No trecho “Anacoluto... Anacoluto é... Anacoluto.” (ℓ. 9), a repetição da palavra “Anacoluto”
sugere
A) brincadeira.
B) confirmação.
C) desconhecimento.
D) desrespeito.
E) receio.

Texto : Folhas secas

Leia o texto abaixo.

Folhas secas

Eu estava dando uma aula de Matemática e todos os alunos acompanhavam atentamente.
Todos?Quase. Carolina equilibrava o apontador na ponta da régua, Lucas recolhia as borrachas
dos vizinhos e construía um prédio, Renata conferia as canetas e os lápis do seu estojo
vermelhíssimo e Hélder olhava para o pátio.
O pátio? O que acontecia no pátio?
Após o recreio, dona Natália varria calmamente as folhas secas e amontoava e guardava
tudo dentro de um enorme saco plástico azul. Terminando o varre-varre, dona Natália
amarrou a boca do saco plástico e estacionou aquele bafuá de folhas secas perto do portão.
Hélder observava atentamente. E eu observava a observação de Hélder – sem descuidar
da minha aula de Matemática. De repente, Hélder foi arregalando os olhos e franzindo a
testa.
Qual o motivo do espanto?
Hélder percebeu alguma coisa no meio das folhas movendo-se desesperadamente,
com aflição, sufoco, falta de ar. Hélder buscava interpretações para a cena, analisava
possibilidades, mas o perfil do passarinho já se delineava na transparência azul do plástico.
Um pássaro novo caiu do ninho e foi confundido com as folhas secas e foi varrido e agora
lutava pela liberdade.
– Ele tá preso! O grito de Hélder interrompeu o final da multiplicação de 15 por 127. Todos os alunos
olharam para o pátio. E todos nós concordamos, sem palavras: o bico do passarinho
tentava romper aquela estranha pele azul. Hélder saiu da sala e nós fomos atrás. E antes
que eu pudesse pronunciar a primeira sílaba da palavra “calma”, o saco plástico simplesmente
explodiu, as folhas voaram e as crianças pularam de alegria. Alguns alunos dizem que havia dois passarinhos presos. Outros viram três passarinhos voando felizes e agradecidos. Lucas diz que era um beija-flor. Renata insiste que era uma cigarra. Eu, sinceramente, só vi folhas secas voando.Para concluir esta inesquecível aula de Matemática, pegamos vassouras, pás e sacos ,plásticos e fomos varrer novamente o pátio.

MARQUES, Francisco. Disponível em: .Acesso em: 14 fev. 2012. (P100012E4_SUP)

11) (P100012E4) Por suas características, esse texto pertence ao gênero
A) biografia.
B) conto.
C) diário.
D) fragmento de romance.
E) peça de teatro.
12) (P100013E4) Nesse texto, o elemento gerador da narrativa é o fato de
A) Carolina equilibrar o apontador com a régua.
B) Dona Natália varrer as folhas do pátio da escola.
C) Hélder se espantar com algo se mexendo dentro do saco plástico.
D) Lucas recolher as borrachas dos amigos para construir um castelo.
E) Renata conferir as canetas e os lápis de seu estojo.
13) (P100014E4) O trecho “... buscava interpretações para a cena, analisava possibilidades, mas o perfil do passarinho já se delineava...” (ℓ. 15-16), apresenta características da linguagem
A) coloquial.
B) formal.
C) literária.
D) regional.
E) técnica.
C1001

terça-feira, 15 de novembro de 2016

PNAIC 2016 Informes




SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CULTURA  E DESPORTO
PRAÇA  29  DE  DEZEMBRO  Nº  57
DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO
     
 INFORMATIVO PNAIC 2016

Esclarecimentos sobre a Tarefa 1 dos professores alfabetizadores e coordenadores pedagógicos:.
1.     O que é a Tarefa  01 ? Para todos os perfis a tarefa 01 é um diagnóstico das turmas para levantamento de possíveis estratégias pedagógicas e de gestão que possam colaborar com a efetiva melhora na aprendizagem das crianças.

O diagnóstico está baseado no quadro Perfil da Turma (PNAIC 2013- unidade 01) e objetivos de aprendizagem da Matemática (Caderno Apresentação 2015).A partir da resposta do diagnóstico, deverão ser sinalizadas ações que serão desenvolvidas para superação das dificuldades encontradas.

2.     Qual a diferença entre os perfis? O (A) professor(a) alfabetizador(a) completa o diagnóstico de todos os seus estudantes de acordo com os itens elencados na atividade. Depois disso, marca as estratégias pedagógicas que pretende usar para sanar os problemas encontrados. Este diagnóstico, após preenchido será encaminhado para o coordenador pedagógico e orientador de estudos para que possam colaborar nesse processo.
O(A) coordenador(a) pedagógico(a) recebe a tabela com o diagnóstico já preenchido. Caso não esteja disponível, ele(a) deve procurar o(a) professor(a) e ajudá-lo(a) a responder ao diagnóstico. Após a resposta de todos os professores da escola ele deverá sinalizar as ações pedagógicas que pretende realizar na escola para colaborar com as ações dos professores e na melhoria da aprendizagem das crianças.
Os demais perfis recebem a tabela com os resultados copilados para dar prosseguimento às ações conforme as atribuições de cada perfil.
3. Como o(a) professor(a) responde a sua tarefa? A primeira ação é inserir a turma.  Ao clicar esse botão ele(a) deverá selecionar a escola e em seguida    definir a     turma.  Isso é uma identificação para que os demais perfis possam reconhecer a turma.
Caso o nome da escola não apareça: Encaminhar um e-mail para o coordenador estadual ou coordenador UNDIME (disponível no site http://pacto.mec.gov.br) com o código do INEP da escola para que possamos fazer a inclusão da escola no sistema, após verificação.
A segunda ação é inserir aluno. Todos os alunos da turma deverão ser incluídos (exceto em turmas multiseriadas nas quais apenas os alunos dos 1º,2º ou 3º anos deverão ser inseridos).
O (A) professor(a) deverá escolher em todos os itens indicados a situação do aluno (Consolidado, Em processo, Iniciado, Não trabalhado) na aprendizagem em cada item. Após a conclusão o(a) professor(a) deverá salvar turma.
Realizar essa ação com todos os alunos da turma no ícone “inserir novo aluno”. Conforme o diagnóstico seja preenchido a tabela com os dados totais deverá ser visualizada pelo professor e pelo coordenador pedagógico da escola participante da formação. Após a inserção de todos alunos, o(a) professor(a) deverá sinalizar as ações que pretende realizar com a turma, clicando em cada uma delas.
ATENÇÃO: Há duas opções no final da tarefa.
 “Salvar diagnóstico” – Permite ao professor que faça edições na tarefa .“Finalizar tarefa” - Indica a conclusão da tarefa. Caso o (a) professor(a) precise retomar a tarefa o Orientador de estudos poderá encaminhá-la novamente. Essa opção estará disponível a partir de 16 de novembro.
4.  Como o(a) coordenador(a) pedagógico(a)responde a sua tarefa?
A partir do diagnóstico das turmas da escola que estará disponível para visualização na tabela,ele(a) deverá sinalizar as ações que pretende realizar para colaborar com os(as)professores(as) e na melhoria da aprendizagem dos alunos. Caso a tabela não esteja disponível ou incompleta, ele(a) deverá procurar o(a) professor(a) e ajudá-lo(a) a responder ao diagnóstico.

 Fonte : SISPACTO  : PNAIC
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CULTURA  E DESPORTO
PRAÇA  29  DE  DEZEMBRO  Nº  57
DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO
INFORMATIVO PNAIC 2016
1. CARO(A) PROFESSOR(A),
A avaliação diagnóstica durante o processo de alfabetização e letramento é uma ação importante. Ela torna visível possíveis dificuldades que precisam ser observadas e resolvidas. Também aponta conhecimentos já apropriados pelas crianças. A partir de seu resultado você terá informações que subsidiem melhor o seu planejamento, organização da rotina escolar com sua turma e melhora na aprendizagem de todas as crianças. Preencha com cuidado e atenção as informações solicitadas abaixo. Elas também irão colaborar com o coordenador pedagógico da sua escola no planejamento e organização de ações necessárias para apoiar o seu trabalho.
Bom trabalho!
2. Caros (as) professores(as) e coordenadores(as), 
Com o objetivo de colaborar na realização da tarefa 01 esclareceremos alguns pontos que têm sido recorrentes nos questionamentos que chegam ao MEC.
1. O que é a Tarefa 01? Para todos os perfis a tarefa 01 é um diagnóstico das turmas para levantamento de possíveis estratégias pedagógicas e de gestão que possam colaborar com a efetiva melhora na aprendizagem das crianças.
O diagnóstico está baseado no quadro Perfil da Turma (PNAIC 2013- unidade 01) e objetivos de aprendizagem da Matemática (Caderno Apresentação 2015).A partir da resposta do diagnóstico, deverão ser sinalizadas ações que serão desenvolvidas para superação das dificuldades encontradas.
2.  Qual a diferença entre os perfis? O(A) professor(a) alfabetizador(a) completa o diagnóstico de todos os seus estudantes de acordo com os itens elencados na atividade. Depois disso, marca as estratégias pedagógicas que pretende usar para sanar os problemas encontrados. Este diagnóstico, após preenchido será encaminhado para o coordenador pedagógico e orientador de estudos para que possam colaborar nesse processo.
O(A) coordenador(a) pedagógico(a) recebe a tabela com o diagnóstico já preenchido. Caso não esteja disponível, ele(a) deve procurar o(a) professor(a) e ajudá-lo(a) a responder ao diagnóstico. Após a resposta de todos os professores da escola ele deverá sinalizar as ações pedagógicas que pretende realizar na escola para colaborar com as ações dos professores e na melhoria da aprendizagem das crianças.

Os demais perfis recebem a tabela com os resultados copilados para dar prosseguimento às ações conforme as atribuições de cada perfil.
3.       Como o(a) professor(a) responde a sua tarefa?
a.       A primeira ação é inserir a turma.  Ao clicar esse botão ele(a) deverá selecionar a escola e em seguida definir a turma.  Isso é uma identificação para que os demais perfis possam reconhecer a turma.

Caso o nome da escola não apareça: Encaminhar um e-mail para o coordenador estadual ou coordenador UNDIME (disponível no site http://pacto.mec.gov.br) com o código do INEP da escola para que possamos fazer a inclusão da escola no sistema, após verificação.
b.      A segunda ação é inserir aluno. Todos os alunos da turma deverão ser incluídos (exceto em turmas multiseriadas nas quais apenas os alunos dos 1º,2º ou 3º anos deverão ser inseridos). O (A) professor(a) deverá escolher em todos os itens indicados a situação do aluno (Consolidado, Em processo, Iniciado, Não trabalhado) na aprendizagem em cada item. Após a conclusão o(a) professor(a) deverá salvar turma.
c. Realizar essa ação com todos os alunos da turma no ícone “inserir novo aluno”.
Conforme o diagnóstico seja preenchido a tabela com os dados totais deverá ser visualizada pelo professor e pelo coordenador pedagógico da escola participante da formação.
d. Após a inserção de todos alunos, o(a) professor(a) deverá sinalizar as ações que pretende realizar com a turma, clicando em cada uma delas.
ATENÇÃO: Há duas opções no final da tarefa.“Salvar diagnóstico” – Permite ao professor que faça edições na tarefa.“Finalizar tarefa” - Indica a conclusão da tarefa.
Caso o(a) professor(a) precise retomar a tarefa o Orientador de estudos poderá encaminhá-la novamente. Essa opção estará disponível a partir de 16 de novembro.
4. Como o(a) coordenador(a) pedagógico(a)responde a sua tarefa?A partir do diagnóstico das turmas da escola que estará disponível para visualização na tabela, ele(a) deverá sinalizar as ações que pretende realizar para colaborar com os(as)professores(as) e na melhoria da aprendizagem dos alunos. Caso a tabela não esteja disponível ou incompleta, ele(a) deverá procurar o(a) professor(a) e ajudá-lo(a) a responder ao diagnóstico.
ATENÇÃO: Há duas opções no final da tarefa.
“Salvar diagnóstico” – Permite ao professor que faça edições na tarefa. “Finalizar tarefa” - Indica a conclusão da tarefa. Caso o (a) coordenador(a) precise retomar a tarefa o Orientador de estudos poderá encaminhá-la novamente. Essa opção estará disponível a partir de 16 de novembro.
Fonte : SISPACTO  : PNAIC

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

atividades para aplicadores SAEPE 2016

ATIVIDADE SAEPE 2016
      
LEIA AS QUESTÕES E ESCREVA CERTO OU ERRADO:

O pacote de teste deverá ser aberto na sala do diretor _____________
No dia da avaliação os estudantes deverão deixar os celulares ligados ____________
O pacote de teste deverá ser aberto fora da serrilha com tesoura  ________________
O aplicador deverá observar se a quantidade de testes é suficiente para todos _______________
Caso falte caderno de testes  ,o aplicador poderá  pegar da outra turma sendo da mesma escola  porém, o teste deverá ser enviado no pacote da turma que foi aplicado o teste ______________
O estudante deverá utilizar corretivo e caneta vermelha para realizar o teste________________
O estudante deverá marcar apenas uma resposta em cada questão_________________
O aluno do segundo ano não transcreve as respostas  para o gabarito e sim a equipe especializada do CAED__________
O aluno do segundo ano não assina na lista de presença. Quem coloca o nome deles é o aplicador______________
O cartão resposta não deve ser destacado da avaliação_________________________
Para cada avaliação do segundo ano terá a duração de 1 hora e 30 minuto de duração :____________________
Quando o aplicador observar que o aluno escreveu seu nome inelegível,  deverá reescrever abaixo o nome correto _________________
Após a aplicação o aplicador deverá escrever o nome completo do aluno e data de nascimento ____________
O aplicador deverá escrever na lista de presença o nome completo dos estudantes obedecendo o sequencial das avaliações e marcar o campo adequado _______________________
A caixa que vai com as avaliações  fica na escola ou retorna ao CAED__________
Os cadernos dos testes deverão ser entregues a qualquer estudante sem obedecer à sequência de testes_________
A transcrição das respostas do caderno de testes para o  cartão resposta  nas turmas de 5º ano,9º ano e Ensino Médio  será de responsabilidade dos estudantes ________________

A duração da avaliação do 5º  e 9º ano e Ensino Médio terá a duração de duas horas e trinta minutos_______________________
Os alunos do 5º e 9º ano e Ensino Médio  devem assinar  o nome no cartão resposta  no campo assinatura do estudante.___________________
Os alunos do 5º e 9º ano e Ensino Médio devem destacar  o cartão reposta ______________________
O aplicador das turmas 5º e 9º  ano e Ensino Médio deverá coletar a assinatura dos estudantes na lista de presença obedecendo o sequencial dos cadernos ____________________________
O aplicador das turmas 5º e 9º ano e Ensino Médio deverá após a aplicação  escrever no cartão resposta o nome completo do aluno e data de nascimento_______________
Os cadernos de teste do Ensino Médio  não retornam ao CAED. Eles deverão permanecer na escola  _____________________
Após a aplicação do teste do Ensino Médio o aplicador destaca os cartões de respostas dos cadernos de teste utilizados ou não _________________Ele  deve preencher os dados solicitados na ata de sala________________
O aplicador deverá solicitar que o coordenador de escola assine o comprovante de aplicação via do aplicador______________________
O aplicador não deverá assinar no formulário de rastreamento referente ao pacote que recebeu_________________
O aplicador assina  no pacote de turma e coloca o CPF e número de telefone_____________________
O coordenador municipal será responsável para entregar aos  aplicadores os pacotes de testes    ______________
Nas escolas que só há uma turma o aplicador fará o papel de coordenador /aplicador _______________________
O responsável para entregar o questionário do professor e do diretor será o aplicador ___________________
Os cadernos de testes deverão ser reproduzidos sem nenhuma restrição ___________
                            
                  Bom trabalho a todos :Valdinere Alves dos Santos