Viajando No Mundo dos Contos de Fada

Viajando No Mundo dos Contos de Fada

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Os Cuidados Com As Redes Sociais

Secretaria de Educação Cultura e Desporto
   Praça 29 de Dezembro nº 57
   Departamento de Ensino


Os Cuidados Com As Redes Sociais

Secretária de Educação :Maria Eterilda Amorim Borba Assis
Diretora de Ensino:Valdinere Alves dos Santos

Cortês 2016



                                                                               Bullying
Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato
O Ciberbullying
O Ciberbullying é uma modalidade virtual do bullying (intimidações repetitivas entre crianças e adolescentes), mas com características próprias, pois tem um efeito multiplicador e de grandes proporções quando acontece. Nessa modalidade de bullying, as ferramentas tecnológicas tais como celulares e câmeras fotográficas, ambientes como a Internet e as redes sociais são usadas para produzir, veicular e disseminar conteúdos de insulto, humilhação e violência psicológica que provocam intimidação e constrangimento das crianças e adolescentes envolvidos. É um problema mundial, mas ainda pouco conhecido pelo grande público ou subestimado pelos adultos, que muitas vezes o encara como uma brincadeira de crianças. Ciberbullying não é brincadeira porque só existe brincadeira quando todos os envolvidos se divertem. Quando há uma relação desigual de poder, onde uns se divertem e outro sofrem e são maltratados, então é preciso que os adultos tomem uma providência.
O QUE FAZER? É importante mostrar que ciberbullying  não é uma "brincadeirinha" e pode trazer sérias consequências prejudiciais para ambos: vítimas e agressores.
Ciberbullying: 
    - Mudanças repentinas no uso da Internet, Medo de compartilhar o que faz na Internet
    - Medo de ir para escola e encontrar amigos ,Evitam participar em atividades coletivas
    - Sinais incomuns de tristeza ,Isolamento no intervalo da escola 
É fundamental que a vítima saiba que ela não é culpada e receba apoio emocional dos familiares, educadores e amigos. Geralmente a vítima é alguém que pode ser vulnerável por apresentar algo que destoa do grupo, não há justificativa, nem motivações específicas para a escolha, mas os alvos podem ser pessoas que não conseguem fazer frente às agressões sofridas, por isso elas precisam de apoio da escola, família e de profissionais.
COMO PREVENIR? É muito importante estimular o debate sobre este tema com toda comunidade escolar e realizar atividades preventivas. Aproveite os recursos educacionais abertos da SaferNet com Cartilhas, Vídeos, Sugestões de aula, todas gratuitas e disponíveis. Em nossa cartilha você encontra dicas e orientações para esse tipo de situação.
COMO DENUNCIAR? Ciberbullying pode ser denunciado e os responsáveis punidos quando houver ato infracional. Como envolve crianças e/ou adolescentes, os pais e/ou responsáveis de confiança precisam ser informados para ajudar a resolver o problema. O mais adequado é buscar resolver diretamente com os envolvidos (geralmente outras crianças e adolescentes) na escola ou ambiente no qual ocorreu o caso, mediando o conflito para promover a cultura de paz e campanhas de prevenção na instituição. Quando não há possibilidade de identificar o agressor e/ou não há espaço para resolver de forma mediada e preventiva, o caso deve ser comunicado ao Conselho Tutelar, Ministério Público ou delegacia de polícia quando houver atos infracionais. É importante gravar todas as mensagens e imagens ofensivas recebidas e bloquear os contatos. A vítima ou responsável legal deve fazer um boletim de ocorrência com as provas (mensagens, fotos, e-mail, n° celular da origem das agressões) para que se iniciem as investigações. Escola, família e testemunhas são co-responsáveis e podem ser responsabilizadas por omissão caso negligenciem os sinais e as consequências do ciberbullying.


Sexting
Sexting é um exemplo de uso da Internet para expressão da sexualidade na adolescência. É um fenômeno recente no qual adolescentes e jovens usam seus celulares e recursos da Internet para produzir e divulgar fotos sensuais de seu corpo (nu ou seminu). Envolve também mensagens de texto eróticas (no celular ou Internet) com convites e insinuações sexuais para namorado(a), pretendentes e/ou amigos(as).Sexualidade e sexo não são a mesma coisa e precisamos perceber as diferenças para educar nossas crianças e adolescentes sobre seus direitos sexuais sem confundir as coisas. Sexo é uma das expressões da sexualidade já amadurecida que envolve a escolha de um(a) parceiro(a) e que pode acontecer a partir do desenvolvimento da puberdade quando já conquistada certa maturidade psicológica. Já a sexualidade está presente em todo o desenvolvimento do indivíduo, mas com características diferentes em cada etapa da vida. A sexualidade na criança, por exemplo, é muito diferente da sexualidade no adulto. Além das dicas e orientações sobre o Sexting na Cartilha SaferDicas, sugerimos que leia as orientações abaixo para estimular a discussão sobre sexualidade e Internet de forma mais ampla na sua escola.

O QUE FAZER?É importante não negar nem recusar o diálogo sobre a sexualidade na infância, evitando confundir com sexo e achar que este diálogo faria a criança perder a inocência. É preciso romper o tabu para compreendermos mais as características da sexualidade no desenvolvimento infantil e estar presente, como educadores, no diálogo que informe e oriente para que o desenvolvimento seja saudável e ético. Se as crianças e adolescentes não têm os espaços para falar de sua sexualidade nas escolas ou em casa, com pessoas de confiança, deixamos aberto o espaço para que procurem saber mais com estranhos na Internet ou mesmo experimentar sem as devidas precauções que poderiam evitar sérios riscos. Sabemos que a infância é marcada por brincadeiras e curiosidades sexuais em cada faixa etária. A curiosidade começa com perguntas, por exemplo, sobre de onde vêm os bebês e em determinada idade passa também pelo enigma da diferença entre meninos e meninas, entre tantas outras. Como educadores, é importante que não encaremos este tema apenas com repressão.Podemos abrir espaços de conversa para que as crianças e adolescentes expressem suas dúvidas e contem com ajuda para amadurecer. Cuidado para também não se antecipar apresentando questões que a criança ainda não pensou, nem perguntou. O equilíbrio é necessário para falar e conversar sobre o que se sente confortável e a partir daquilo que a criança verbalizou ou se interrogou. Quando reprimimos a dúvida e a curiosidade, reprimimos também o desenvolvimento intelectual da criança.

COMO PREVENIR? A sensação de anonimato e a mediação tecnológica podem favorecer uma exposição maior do que aquela que é feita na interação presencial. Diante do computador ou do celular as crianças nem sempre percebem a dimensão da publicidade e exposição quando publicam uma foto, um vídeo ou falam com alguém em um bate-papo. Em muitos casos a descoberta da sexualidade na adolescência conta com a ajuda de amigos nas redes sociais, de respostas obtidas nos buscadores e de conversas íntimas feitas com conhecidos virtuais. Estas práticas podem ser saudáveis desde que haja um histórico de orientações e diálogos prévios na infância que permitam uma descoberta responsável e segura.

COMO DENUNCIAR? No Estatuto da Criança e Adolescente considera-se crime produzir e armazenar fotografias ou imagens pornográficas e de sexo explícito de menores de 18 anos - "Art. 241. Apresentar, produzir, vender, fornecer, divulgar ou publicar, por qualquer meio de comunicação, inclusive rede mundial de computadores ou internet, fotografias ou imagens com pornografia ou cenas de sexo explícito envolvendo criança ou adolescente". Portanto, havendo imagens com este teor, cabe formalizar uma denúncia.Se o conteúdo for acessivelmente publicamente, denuncie preenchendo o formulário na página http://www.safernet.org.br/site/denunciar.
Solicite formalmente a remoção do conteúdo ilegal ao prestador de serviço responsável por hospedá-lo, através de uma carta, neste link você encontra um modelo. Se não for um conteúdo acessível publicamente, e-mail, P2P, páginas privadas, preserve todas as provas, procure a Delegacia de Polícia Civil mais próxima do local de residência da vítima e registre a ocorrência. Você também pode ir a uma Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos.
PARA DEBATER
- Dialogar sobre o que os alunos fazem e veem na Intenet;
- Propor às crianças e adolescentes uma reflexão e discussão dos limites da intimidade num espaço público como a Internet; Filmes para animar o debate: - Quando sonho vira pesadeloSid 2010De volta às aulas



O uso excessivo da internet
O uso da Internet por tempo prolongado preocupa pais e educadores. Definir se esse uso prolongado se tornou excessivo não é fácil. Para identificar o uso excessivo é importante se considerar não apenas o tempo de uso da Internet, mas especialmente a qualidade desse uso. O uso excessivo da Internet se caracteriza por, além de um uso prolongado, uma ausência de controle, a criança e adolescente não consegue parar de usar, e principalmente por ser uma atividade repetitiva e muito pouco criativa.
O QUE FAZER ? A participação dos adultos é muito importante. É preciso que eles estejam atentos ao sinais de prejuízo provocados pelo uso excessivo:
·         Queda no rendimento escolar, Diminuição das horas de sono
·         Não cumprimento das obrigações, tarefa de casa, horário de refeições, em decorrência das muitas horas conectados
·         Dificuldades em controlar, diminuir ou parar o uso prolongado da Internet

A escola pode ser a primeira a notar alguns destes sinais, seu papel é importante na medida em que pode orientar os pais a estabelecerem horários e limites para o uso da Internet de acordo com a idade e o desenvolvimento da criança. Caso perceba que a situação tem se agravado, é importante que se possa procurar ajuda de um profissional especializado para acompanhar a avaliar até que ponto tem sido prejudicial o uso da Internet e o que pode estar por trás deste comportamento. COMO PREVENIR? Seja assistindo TV, navegando na Internet ou jogando games, é importante a mediação dos adultos na prática dessas atividades. Todas elas são meios lúdicos que dão muito prazer, entretanto seu uso não deve impedir a busca por outras formas de diversão. Além da escola ser um espaço onde se oferece outras atividades, também lúdicas e prazerosas, ela pode sugerir usos mais criativos da Internet, como jogos e aplicativos educativos, e-books e a visita orientada a portais educacionais e culturais.
Conteúdo impróprio
O QUE É? São conteúdos considerados incompatíveis para a fase de amadurecimento que uma criança ou um adolescente se encontra. Um dos motivos de maior preocupação entre pais e educadores com relação aos filhos/alunos na Internet é o que eles acessam e o tempo que permanecem na rede. Como qualquer atividade ou hábito, é preciso educá-los para que eles possam utilizar os benefícios das novas tecnologias de forma ética e segura, pois, o acesso a certas informações e imagens podem comprometer o desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes.
O QUE FAZER? Crianças e adolescentes costumam ter curiosidade para experimentar coisas novas e que estimulem a imaginação. É importante que eles compreendam que alguns conteúdos que se encontram na rede podem ser prejudiciais para o seu desenvolvimento psicológico e sexual, além de facilitar, por exemplo, o contato com pessoas mal intencionadas. É muito importante que eles compreendam, de forma mediada e responsável, que alguns conteúdos não são adequados para a idade deles. Dessa forma, é preciso discutir e esclarecer questões relacionadas a sexualidade, ao conhecimento do próprio corpo e curiosidades acerca do tema, sempre respeitando cada etapa do desenvolvimento. Mesmo sendo um assunto complexo, momentos como estes podem ser importantes para orientá-los sobre os conteúdos que são apropriados para cada faixa etária.
COMO PREVENIR?A melhor estratégia de proteção é a orientação dos alunos. Para isso, é muito importante haver nas atividades escolares um espaço de conversa e debate sobre o que eles acessam e suas experiências na Internet. É fundamental que os alunos compreendam sobre os cuidados que precisam ter, especialmente ao acessar sites que podem deixá-los expostos a situações de risco, como por exemplo, entrar em contato com pessoas mal intencionadas. Diálogo e orientação continuam sendo a melhor maneira de construir hábitos saudáveis. Crianças e adolescentes podem utilizar a Internet sim, de forma mediada e acompanhada pelos pais e educadores.
Uma outra alternativa é orientar os pais a ficarem atentos aos conteúdos acessados pelos filhos em casa. É fundamental que os responsáveis participem ativamente de todas as atividades realizadas pelos filhos, inclusive sobre os serviços que eles utilizam no ciberespaço.
Os responsáveis devem dialogar sobre a importância de se proteger na Internet, além de permitir o acesso com regras e limites negociados. Esta pode ser uma estratégia interessante para que os pais não privem seus filhos desta importante tecnologia de comunicação, estudo, diversão e pesquisa. Seja assistindo TV, navegando na Internet ou jogando games, a mediação dos adultos na prática dessas atividades torna-se crucial para que crianças e adolescentes realizem um uso ético e seguro na rede.
Além disso, temos um Canal de Orientação direcionado para crianças e adolescentes, pais e educadores sobre os perigos on-line. Acesse e divulgue:www.helpline.org.br Se você encontrar na Internet crimes que envolvam crianças e adolescentes na Internet, entre na página inicial da Safernet Brasil e denuncie:http://www.safernet.org.br/site/denunciarPara maiores informações,  Caso tenha interesse em nossos materiais, envie um e-mail para a nossa equipe:equipehelpline@webmail.org.br
Denúncia : O que é?
Assim como no espaço off-line, é muito importante que pais e educadores estejam cientes a respeito de como proceder em situações em que crianças e adolescentes encontrem-se diante de alguns riscos existentes no mundo cibernético.
A Internet não pode ser vista como uma terra sem lei, onde pessoas mal intencionadas não respondem pelos crimes que cometem e continuam impunes no mundo virtual. Desta forma, as violações que ocorrem no ciberespaço também devem ser combatidas e denunciadas.
Para o público infanto juvenil que se encontra vivenciando uma situação de humilhação, intimidação, ameaça, aliciamento sexual ou qualquer outro tipo de violência on-line, é fundamental buscar instâncias da rede de proteção que possam auxiliar crianças e adolescentes nas situações descritas anteriormente.
COMO PREVENIR? Você pode buscar ajuda dos seguintes órgãos:
  - Conselho Tutelar; Ministério Público; Delegacia de Polícia.
Diante de tentativa de aliciamento sexual infantil através de espaços on-lineprivados, como e-mail, chat, perfis restritos, ou troca de conteúdos de pornografia infantil através de rede P2P, você pode entrar em contato com a Polícia Federal através do endereço eletrônico denuncia.ddh@dpf.gov.br .
Caso a integridade física da criança/adolescente esteja em risco, a denúncia também pode ser feita ao Disque 100, para que a vítima se encontre em segurança o mais breve possível. No caso de conteúdos que violem os Direitos Humanos e que estejam expostos em alguma páginas ou perfis não privados (ou seja, que todos podem ter acesso), você pode denunciar em nossa central de denúncias http://www.safernet.org.br/site/denunciar .
 Os crimes contra os Direitos Humanos são:
  - Homofobia (preconceito contra homossexuais);  Racismo (preconceito contra pessoas de determinada cor);
  - Xenofobia (preconceito contra estrangeiros ou pessoas de fora); Neonazismo (uma expressão da Ideologia Nazista);
  - Incentivo a crimes contra a vida (páginas de incentivo ao suicídio, anorexia, bulimia, etc);
  - Intolerância religiosa (preconceito contra pessoas de determinada religião);
  - Tráfico de pessoas (prática de levar pessoas de um local para o outro de maneira forçada e desumana);
  - Conteúdos de violência contra crianças e adolescentes; Pornografia infantil. 

                                                                                                                                                                                                                  
Privacidade O que é?
Crianças e adolescentes buscam ao longo do seu desenvolvimento formas e estratégias de se expressar em suas atividades e relações sociais. Com o advento da Internet, esta geração se encontra conectada diariamente, registrando, publicando e compartilhando fotos, informações e opiniões entre seus pares. Pelas novas tecnologias terem se tornado cada vez mais presentes na vida dos alunos, é possível perceber que pais e educadores se encontram com uma grande preocupação em relação aos prejuízos que a exposição desorientada na rede pode provocar no desenvolvimento das crianças e adolescentes. Inicialmente, é importante compreender que atualmente estes espaços virtuais possibilitam ao público infanto juvenil uma forma criativa de se expressar, se socializar e argumentar sobre temas que os interessam. Porém, este novo espaço público também deve ser acompanhado e mediado por pais e educadores, no sentido de criar subsídios para que crianças e adolescentes saibam se proteger de algumas situações de risco on-line.
Como Prevenir?
Com a Internet, usuários de diferentes faixas etárias, em qualquer horário, podem acessar diferentes conteúdos e se expor a diferentes situações com apenas um clique. Não é uma tarefa fácil, mas com o diálogo e a orientação é possível educar para o exercício responsável da liberdade de expressão na rede. Ações educativas de prevenção e sensibilização nas escolas podem auxiliar pais, alunos e toda a comunidade escolar a refletir e criar estratégias para promover a cidadania no ciberespaço. O QUE FAZER? É possível sim ter privacidade na rede, porém, crianças e adolescentes devem contar com a mediação/auxílio de adultos de confiança (educadores e responsáveis) para orientá-los sobre os riscos existentes ao se expor de forma irrestrita nos serviços que utilizam no ciberespaço. Veja as dicas que você pode divulgar para seus alunos:
Evitar expor informações como endereço, telefone, nome da escola onde estuda. Quanto mais cautela tiver antes de publicar, mais segura a criança ou adolescente estará on-line; Evitar registrar ou publicar fotos íntimas que possam causar algum tipo de constrangimento. Uma vez na rede, é difícil controlar e deletar essas imagens; Pensar bem antes de adicionar pessoas desconhecidas em suas rede sociais;

Não compartilhar senhas pessoais mesmo que seja com pessoas de confiança, pois é somente a partir dela que é possível acessar as contas e páginas pessoais de forma segura; Cuidado com ofertas mirabolantes e promessas muito exageradas. Podem ser tentativas de golpe, muitas vezes enviadas pela conta de amigos que foram infectados por vírus; Evite deixar público o check-in ( registro no mapa geo-referenciado) de lugares que frequenta. A Safernet Brasil possui um Canal de Orientação direcionado para crianças e adolescentes, pais e educadores que conheçam ou estejam passando por alguma situação de violência na Internet. 
Acesse e divulgue: www.helpline.org.br.Caso tenha interesse em nossos materiais, envie um e-mail para a nossa equipe: equipehelpline@safernet.org.br
Campanhas na escola
A escola é responsável não apenas pela transmissão de conteúdos formais, mas é também um espaço de promoção de ética e cidadania. Pelas novas tecnologias terem se tornado um meio de aprendizado, diversão e socialização para crianças e adolescentes, é muito importante discutir acerca dos perigos existentes on-line, promovendo ações educativas que envolvam alunos, pais e toda a comunidade escolar.
A temática pode ser inserida na própria sala de aula ou mesmo em atividades multidisciplinares, como por exemplo através de oficinas, elaboração de pesquisa, campanhas, vídeos, blogs ou demais recursos que possibilitem o incentivo ao respeito mútuo e a promoção de uma educação digital com responsabilidade e segurança. Além disso, a escola pode propor workshops ou atividades em grupo sobre formas éticas e seguras de como utilizar a Internet e de como lidar ao emergirem casos de riscos entre seus alunos. Os pais podem participar de atividades conjuntas com as crianças e adolescentes, já que é fundamental o acompanhamento dos responsáveis na navegação dos filhos em casa.

Fonte :

A SaferNet Brasil disponibiliza diversos conteúdos que podem auxiliar os educadores para a construção de ações preventivas ao ciberbullying, sexting, uso excessivo, aliciamento sexual infantil, dentre outros.

Dinâmica para estudo pedagógico muito boa

QUE  PENSAMENTO  PROFISSIONAL  O PERSEGUE  ?
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
O QUE VOCÊ TEM OFERECIDO A SUA EQUIPE ? 
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


O QUE VOCÊ PRECISA BUSCAR ?



          QUE SENTIMENTO TROUXE CONSIGO ?

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________


 É hora de vestir a camisa 2016 .Use a criatividade expondo os sentimentos e o que há de melhor para este novo ano .



                                                                                        
                       USE A SUA CRIATIVIDADE 

OS DEZ MANDAMENTOS DO PAI DO BOM ESTUDANTE

OS DEZ MANDAMENTOS DO PAI DO BOM ESTUDANTE
Existem algumas regrinhas básicas para você que deseja ver seu filho transformado m um bom aluno, que não lhe dê problemas maiores (porque alguns, pequenos, sempre teremos!) em relação a escola e aos estudos. O pai do bom estudante:
01. Vê a escola como aliada e não como oponente;
02. Na maioria absoluta das vezes é favorável às decisões que a escola toma e as apoia porque sabe que a elegeu com cuidado para cuidar do filho, em suma, não critica sem ouvir a escola antes;
03. Não tem pena dos filhos quando eles têm tarefas, pesquisas ou estudo para fazer; sabe que estudar assim como trabalhar, só faz bem a crianças e jovens;
04. Supervisiona o trabalho e o estudo do filho, mas não faz as tarefas por ele, apenas orienta, olha a agenda escolar para estar a par, diariamente, das comunicações que a escola manda;
05. Sabe diferenciar com clareza situações em que os resultados positivos na escola são fruto de esforço ou quando os negativos se relacionam à falta de dedicação dos filhos;
06. Incentiva os filhos com palavras e gestos de afeto, estímulo e compreensão, mesmo quando não tiram notas excelentes, pois percebe quando deram o máximo de si e quando não cumpriram a parte que lhes cabe;
07. Providencia o necessário para que os filhos superem dificuldades que eventualmente surgem na vida dos estudantes, sem, no entanto, desistir, estigmatizar os filhos ou culpar de imediato a escola;
08. Não facilita nem permite faltas, atrasos ou “enforcamento” de aulas ou ausência nos dias letivos sem motivo absolutamente justo;
09. Segue e faz os filhos seguirem o regulamento da escola, nunca estimulando ou desejando regras especiais para o seu filho, que reconhece como igual às demais crianças, com direitos e deveres, enfim, sem “pressionar” a escola para que ela mude seus pressupostos e aja de acordo com o que considera interesse pessoal;
10. Não pressiona a escola ou determinado professor quando alguma coisa inesperada ocorre, porém averigua a situação real, pois uma boa escola nunca deseja errar e sabe que uma boa educação escolar é a melhor aliada da família na formação de cidadãos honestos, produtivos e bem-sucedidos .


Numa sociedade com base no conhecimento, por definição é
necessário que você seja estudante a vida toda".
Tom Peters

Metas e Ações Para 2016

A  Escola Como Espaço de Convivência

e Vivência Cidadã
 



Cortês 2016
Descrição: E:\LOG BRASÃO CORTÊS farda.jpgSecretaria de Educação Cultura  e  Desporto
Praça 29 de Dezembro nº 57
Departamento de Ensino

PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA 2016
É importante ressaltar que ir além do conhecimento teórico é de fundamental importância, pois para acompanhar o trabalho pedagógico e estimular os professores é preciso percepção e sensibilidade e sobretudo vontade para identificar as necessidades dos alunos e educadores, tendo que se manter sempre atualizado, buscando fontes de informação e refletindo sobre a prática pedagógica .Sabemos que é o professor que propõe, acolhe e organiza problemas a serem resolvidos, que irão gerar ideias, que sendo discutidas, permitirão a ampliação dos conhecimentos prévios. Portanto, educar e ensinar são compromissos com a construção da identidade do indivíduo, de maneira a conviverem juntos a partir da realidade pessoal de cada um, respeitando sua diversidade cultural e étnica e atendendo aos princípios norteadores da cidadania.
OBJETIVOS
·         Diagnosticar  os pontos críticos do processo de ensino aprendizagem;
·         Sugerir e propor atividades visando o aperfeiçoamento do trabalho pedagógico;
·         Evidenciar a importância do coletivo na construção do conhecimento;
·         Oportunizar momentos de formação, de estudo e de reflexão sobre a prática docente e explorar alternativas de trabalho que permita a concretização da proposta pedagógica;
·         Promover estudos e pesquisas para ressaltar a importância da relação teoria - prática do processo de ensino - aprendizagem;
·         Estimular a leitura, análise, reflexão de subsídios e avaliar a sistematização durante todo o processo.
·         Executar demais atribuições a fins de acordo com o estabelecido pela Secretaria Municipal de Educação
·         Estabelecer elos entre o corpo docente e direção escolar, pais e alunos;
·         Garantir a efetivação das diretrizes pedagógicas estabelecidas no Plano Político Pedagógico, no âmbito da  unidade escolar;
·         Auxiliar e orientar os professores no processo de ensino e aprendizagem dos alunos (intervenções quando necessário)
                          META
                                          AÇÃO

                       ESTRATÉGIA
Minimizar o índice de reprovação nas turmas de 3º e 5º ano
Promover reforço para alunos com dificuldades
Trabalhar os dados estatísticos em busca de melhoria dos resultados
Coordenar e subsidiar a elaboração dos diagnósticos da realidade escolar;
Orientar os educadores quanto aos esforços necessários para superar as dificuldades.
Atividades diversificadas
Leitura
Avalição diagnóstica
Apresentação de dados estatísticos
Levantamento de alunos com baixo desempenho
Diminuir o índice de repetência e desistência nas turmas de EJA
Pesquisar e acompanhar as causas da repetência e o rendimento escolar dos alunos
Desenvolver habilidades nos alunos buscando os conhecimentos prévios 
Aulas dinamizadas e diversificadas trabalhando de acordo com a realidade da turma
Elevar o índice de aprovação do SAEPE 2016
Trabalhar os descritores do SAEPE por meio de oficinas

Através de oficinas ,apostilas, encontros pedagógicos ,realizar simulados
Desenvolver a elaboração e a vivência de Projetos Didáticos Interdisciplinares que viabilizem a prática de leitura entre outras práticas educativas.
Elaborar e vivenciar projetos interdisciplinares



Dramatizações
Produção de textos
Apresentações diversificadas
Vivenciar nas escolas as datas Comemorativas de acordo com o calendário anual
Elaborar roteiros mensais para as escolas com sugestões a serem vivenciadas de acordo com as datas comemorativas
Roteiros mensais
Sugestões de atividades
Apostilas
Ressaltar a importância da realização de reuniões de pais e mestres nas escolas promovendo plantões pedagógicos.

Organizar reuniões de pais e mestres interpretando a organização didática da escola para a comunidade
Organizar plantões pedagógicos
Reunião de pais por bimestre com enfoque na melhoria do rendimento escolar.
Acompanhamento de registros dos processos dos alunos e suas dificuldades.
Participar do Projeto escolar da Unidade, coordenado, junto aos docentes, as atividades de planejamento curricular, observando as diferentes propostas, articulando-as conjuntamente.
Analisar e reavaliar o projeto politico pedagógico
Analisar e atualizar o Regimento Escolar período de 2013 a 2016
Reunir professores e representantes diversos
Atualizar o PPP
Atualizar o Regimento Escolar
Realizar visitas às escolas da zona urbana e rural. Manter o elo entre professores alunos e equipe gestora 
Realizar visitas às escolas

Visitas às escolas pelos coordenadores internos
Promover encontros pedagógicos com coordenadores
Realizar encontros pedagógicos com coordenadores
Estudar temáticas diversas através de textos, vídeos e PPT.
Redirecionar as aulas-atividades do professor trabalhando em conjunto trocando experiências

Desenvolver conselhos de classe
Dar suporte pedagógico ao professor, auxiliando-o a encontrar melhores estratégias de ensino, favorecendo a aprendizagem significativa contribuindo com materiais pedagógicos.
Preparação do conselho de classe, conforme calendário, para analisar e avaliar junto com os professores as causas e consequências que levam o aluno a não adquirirem as habilidades propostas no período.
Apoio aos professores

Incrementar os conteúdos básicos para um projeto de cidadania ativa, abordando temas como: Abuso sexual, maus-tratos contra crianças e jovens, pedofilia pornografia infantil os cuidados com a internet, preconceito e valores culturais entre outras temáticas que devem ser abordadas no dia a dia em sala de aula ,despertando no aluno o sentimento de amor próprio para que possa ter ideal de vida e lutar pelos seus direitos.

Apresentar e debater sobre temas atuais relacionados aos problemas que afetam a comunidade como a dengue, chikungunya e zika vírus etc.

Conscientizar a população sobre a contribuição de cada um na prevenção da Dengue.

Proporcionar o conhecimento e a conscientização dos alunos acerca dos temas que envolvam meio ambiente e cidadania, desenvolvendo a construção de atitudes para a preservação e com o desenvolvimento sustentável.
Despertar nas crianças valores e ideias de preservação da natureza e senso de responsabilidade para com as gerações futuras;
Conscientizar os alunos sobre os cuidados que devemos ter com as redes sociais.
Desenvolver ações preventivas quanto a violência, maus tratos e abuso sexual etc. contra crianças e adolescentes

·         Através de textos ,
·         Cartazes ,
·         Vídeos ,
·         Produção de textos ,
·         Atividades diversas.
·         Palestras educativas
·         Panfletos
·         PPT
·         Exercícios diversos

Subsidiar coordenadores de forma geral
Trocar experiências e procurar sempre ouvir os coordenadores e atende-los sempre que possível
Promover formação continuada para coordenadores 
Apostilas diversificadas - Reuniões mensais
Planejamentos -Estudos de temas
Reuniões pedagógicas -Informativos diversos
Promover formação continuada para professores
Dar suporte pedagógico ao professor, auxiliando-o a encontrar melhores estratégias de ensino, favorecendo a aprendizagem significativa contribuindo com materiais pedagógicos .


Metodologia: Para o desenvolvimento das metas e ações desta pequena proposta será trabalhada durante todo ao no letivo de 2016
Avaliação:

Avaliar é um processo contínuo e sistemático que visa o processo de quem está sendo avaliado no domínio dos seus conhecimentos e no desenvolvimento de habilidades e atitudes exigidas pela formação cientifica e o exercício profissional . A avaliação será realizada sob a coordenação e acompanhamento efetivo da direção, coordenadores de cada escola bem como a coordenação geral. Para isso a diretoria de ensino solicitará relatórios de atividades desenvolvidas nas escolas.
                                                                                            

                                                                               Elaboração : Valdinere Alves dos Santos